Polícia Viana ES

Advogada casada com preso ajudava a coletar dinheiro de esquema em presídio

Investigação começou após um detento confessar que pagou R$ 8 mil por vaga de trabalho na cozinha do pres√≠dio. Tr√™s pessoas foram presas nesta sexta-feira (09)

Por Regional ES

09/02/2024 às 14:17:02 - Atualizado h√°
Foto: Thiago Soares/Folha Vitória

Uma advogada, esposa de um detento, est√° entre os envolvidos em um esquema de venda de postos de trabalho na Penitenci√°ria de Segurança M√°xima 1, em Viana. É o que aponta a investigação realizada pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

LEIA TAMBÉM: Motorista que derrubou passarela na BR-101 perde 12 pontos na carteira numa única noite

Nesta sexta-feira (09), o Ministério Público deflagrou uma operação e prendeu tr√™s pessoas envolvidas no esquema. Além das prisões, também foi expedido mandado de prisão contra um interno da unidade.

A investigação começou após um detento confessar que pagou R$ 8 mil, por meio de familiares, para ter acesso à vaga de trabalho na cozinha do presídio. Presos que trabalham recebem uma série de benefícios, como a redução de pena.


COMO FUNCIONAVA ESQUEMA EM PRESÍDIO?

No esquema, segundo a investigação, envolvia a "venda de camisas" (postos de trabalho) e outros benefícios no âmbito do Projeto Amigurumi (croch√™), concentrado em duas galerias da unidade.

LEIA TAMBÉM: Defesa entrega passaporte de Bolsonaro em Brasília

Para operar o esquema, os servidores públicos contavam com a participação de um interno, que negociava os benefícios entre os demais presos por valores pagos em espécie.

DIVINO SABOR

Eram impostos valores diferenciados, de acordo com a capacidade econômica dos presos e conforme integrassem ou não a mesma facção do denunciado, que poderia reter para si parcela do valor eventualmente cobrado a maior.

A venda de benefícios também ocorria em meio a ameaças ou retaliações, ou, ainda, imposição de sanções disciplinares infundadas. Uma advogada e esposa de um dos presos também ajudava a coletar os valores pagos pelos internos.

LEIA TAMBÉM: Jaguaré reforça combate ao mosquito da dengue

O esquema fraudulento também foi confirmado por mais de 30 internos, em uma sindicância instaurada pela Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) para apurar os fatos.

A operação é realizada pelo Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio do Grupo Especial de Trabalho em Execução Penal (GETEP), com o apoio do Núcleo de Intelig√™ncia da Assessoria Militar do MPES e da Polícia Penal do Espírito Santo.

O QUE DIZ A SECRETARIA DE JUSTIÇA?

Em nota, a Secretaria da Justiça (Sejus) informou que o servidor investigado foi nomeado como diretor-adjunto da unidade prisional em abril de 2021 e exonerado do cargo em dezembro de 2022. Atualmente, ele exercia funções como policial penal na √°rea de escolta prisional.

LEIA TAMBÉM: Vai pegar a estrada? Confira dicas para viajar com segurança

"A Secretaria da Justiça (Sejus) e a Polícia Penal do Espírito Santo (PPES) informam que colaboram com as investigações deflagradas pelo Ministério Público e ressaltam que não compactuam com atos ilícitos que comprometam a transpar√™ncia e a boa gestão do sistema penitenci√°rio capixaba", concluiu a Sejus.

LEIA TAMBÉM: Crianças de 10 a 11 anos serão as primeiras a vacinar contra dengue

A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Espírito Santo (OAB-ES) também foi procurada, mas ainda não se manifestou sobre a prisão da advogada.

Além disso, a reportagem tenta localizar a defesa dos envolvidos. O espaço est√° aberto para manifestação.

Comunicar erro
Regional ES

© 2024 Regional ES - Todos os direitos reservados.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Regional ES